Notícias

home » notícias

12 de Janeiro de 2018 às 20:01

Fetec-CUT/CN, Contraf e sindicatos exigem que Banco do Brasil respeite direitos dos bancários na reestruturação

Reunião foi realizada por videoconferência nesta sexta-feira 12 e teve participação dos gerentes de unidades regionais da Gepes


A Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil, órgão da Contraf-CUT formada pelas federações e principais sindicatos de bancários do país, reuniu-se nesta sexta-feira 12 com a Direção de Gestão de Pessoas e gerentes de unidades regionais da Gepes para pedir esclarecimentos sobre o PAQ e o programa de reestruturação anunciados na semana passada, criticar os aspectos que considera prejudiciais aos bancários e clientes e exigir garantias de que os trabalhadores terão seus direitos respeitados e não sofrerão perdas com as mudanças. 

A Confederação, federações e sindicatos marcaram para a próxima sexta-feira, 19 de janeiro, Dia Nacional de Luta dos funcionários do BB em defesa do banco público e dos direitos dos trabalhadores. Durante a próxima semana, atividades de esclarecimento e debate nos locais de trabalho serão realizadas em todo o Brasil.

“Dentro de nossa estratégia de defesa dos bancos públicos, criticamos na reunião a reestruturação anunciada, que pode enfraquecer o papel do BB público e ameaça bancários e clientes. Para fortalecer essa luta, estamos orientando os sindicatos a realizarem na próxima semana manifestações em todo o país para denunciar a reestruturação e lutar pela garantia dos direitos dos funcionários e que ninguém seja prejudicado”, afirma Rafael Zanon, representante da Federação dos Bancários do Centro Norte (Fetec-CUT/CN) na Comissão de Empresa, que participou da reunião desta sexta, realizada por videoconferência.

Não à transferência compulsória

Os representantes dos funcionários reivindicaram da direção do BB e dos administradores que não utilizem a prerrogativa de transferência compulsória prevista no regulamento do PAQ. O banco respondeu que utilizará a transferência compulsória em último caso, e somente dentro da mesma praça.

Proteção para os caixas

As federações e sindicatos reivindicaram que os caixas que estão excedentes sejam priorizados para as vagas de assistentes, evitando dessa forma que tenham redução na remuneração. O BB disse que estudará a priorização no sistema e que as superintendências regionais estão trabalhando no sentido de nomear os caixas nas vagas de assistentes, a fim de evitar redução de remuneração nesse grupamento.

Funções de TI nas Unidades Estratégicas

O Sindicato dos Bancários de Brasília, por intermédio do diretor Rafael Zanon, reivindicou que os funcionários que se encontram em funções de TI e não estejam lotados na Diretoria de Tecnologia tenham a oportunidade de ser nomeados na Ditec caso optem por esse caminho. O BB respondeu que vai estudar a reivindicação.

Excedentes em unidades estratégicas

Indagados pelos sindicatos, os representantes do Banco do Brasil esclareceram que todos os funcionários em determinada função de uma unidade estão aptos a aderir ao plano de desligamento, caso haja excesso dessa função na dependência. E se houver mais aderentes do que excessos, haverá um critério de escolha.

 Sindicatos solicitam realização de concurso público

Os representantes dos trabalhadores também reivindicaram a realização de concurso público, mas a direção do BB disse que não há previsão para isso.

 Risco de desvio de funções

A Comissão de Empresa dos Funcionários do BB alertou ainda para a possibilidade de ocorrência de desvio de função nas agências, no que diz respeito às reais atribuições de escriturários e assistentes. O banco respondeu que está atento a essa questão.

Gerentes avançados terão remuneração preservada

A direção do BB atendeu a reivindicação dos dirigentes sindicais para que fosse preservada a remuneração dos gerentes avançados que estiverem sendo nomeados em outras dependências e funções similares.

Contraf critica alteração das dotações

Na atual reestruturação, o BB alterou a dotação de milhares de dependências, extinguindo até mesmo com um setor inteiro – o Cenop Recife -, com mais de duzentos funcionários. “Perguntamos ao banco quais os critérios e deixamos claro nossa discordância com essas alterações”, acrescenta Rafael Zanon.

BB não apresenta números

Os sindicatos solicitaram os números consolidados da reestruturação, em relação às vagas e excedentes. O BB não forneceu essa informação, o que foi criticado pelos trabalhadores. Sobre os desligamentos, o BB informou que até as 12h desta sexta-feira 12 havia 801 pedidos de desligamento incentivado, que serão analisados após o dia 26, considerando-se os excessos na praça (escriturários e caixas) ou na dependência (comissionados).

A Fetec-CUT/CN, Contraf-CUT e demais federações e sindicatos orientam os funcionários que não tenham condições de se aposentar a não aderirem ao desligamento voluntário. Para aqueles que estão aposentados pelo INSS ou tenham condições de se aposentar pela Previ e tenham interesse em aderir ao programa, a orientação é que analisem atentamente os impactos financeiros (fim do recebimento de auxílios alimentação, PLR e outras verbas remuneratórias) e os reflexos na Cassi e Previ.

Denuncie ao sindicato

O BB esclareceu que é proibido que as dependências indiquem nominalmente os funcionários que ele diz estarem em excesso. A Fetec-CUT/CN orienta os bancários a entrarem em contato com os sindicatos para denunciarem abusos e violações de seus direitos.

Fetec-CUT/CN


Notícias Relacionadas